Ponte Preta

De Porcopedia - A Enciclopedia do Palmeiras

Tabela de conteúdo

Clube

Nome do Clube: Associação Atlética Ponte Preta
Cidade: Campinas São Paulo Brasil
Data de Fundação: 11 de agosto de 1900
Estádio: Moisés Lucarelli
Mando: Moisés Lucarelli
Site: http://www.pontepreta.com.br/
História: O ano era 1900 e, na cidade de Campinas, um grupo de alunos do Colégio Culto à Ciência passava suas tardes jogando bola em campos improvisados de um bairro de nome curioso: Ponte Preta. A vizinhança fora batizada em virtude de uma ponte de madeira feita pela ferrovia e que, para ser melhor conservada, havia sido tratada com piche. Os jovens alunos que naquele dia 11 de agosto resolveram fundar um clube não tiveram dúvidas ao nomeá-lo com o mesmo nome do bairro. Ali surgia a Associação Atlética Ponte Preta. Além de ser primeiro time de futebol a ser fundado no Brasil em atividade ininterrupta, a Ponte Preta também se orgulha de ser a primeira democracia racial em um time de futebol do Brasil. Há quem pense que o primeiro time nacional a aceitar negros e afro-descendentes foi o Vasco da Gama, do Rio de Janeiro, e até propague mito. Na verdade, o Vasco foi fundado como clube de regatas em 1898, mas só em 1915 criou seu departamento de futebol. E, mesmo como Clube de Regatas, só em 1904 elegeu um presidente afro-descendente. Vinte anos depois (em 1924, portanto), defendeu junto à Federação Carioca o direito de ter jogadores negros. Já a Ponte Preta não faz distinção de raça desde sua fundação, em 1900 - portanto bem antes do Vasco. Entre os fundadores da Ponte existiam negros e mulatos, sendo que um deles, Miguel do Carmo, se tornou jogador titular do primeiro elenco alvinegro, ainda no ano da fundação. A Ponte abraçou esta democracia em suas mais profundas raízes, a ponto de ter transformado preconceito em honra. A torcida do clube sempre foi animada e acompanhava o time em todos os jogos do interior do Estado de São Paulo. Por ter na torcida uma base popular e operária, e por ter muitos negros tanto em campo quanto fora dele torcendo pelo sucesso do time, muitas vezes o time era recebido nos estádios adversários de maneira hostil. Em uma época em que o conceito de racismo mal era conhecido, os rivais falavam que a torcida era formada por “macacos”, que o time era uma “macacada”. Em vez de brigar, a torcida transformou hostilidade em bom-humor e assumiu o apelido: a Ponte tem orgulho desde sempre de ser a Macaca, todos os seus torcedores amam a Macaquinha e fazem questão de ser os macacos do alambrado. Seja no campo, na torcida ou em sua diretoria, a Ponte Preta segue um conceito que espera ver amplamente popularizado no mundo: aqui há uma única raça, a raça humana. Além dessa, só aquela que os jogadores mostram em campo.

Estatísticas

Retrospectos

Geral

Confronto Jogos Vitórias Empates Derrotas Gols Feitos Gols Sofridos Saldo de Vitórias
Palmeiras x Ponte Preta 128 64 31 33 211 138 +31


Por Torneios

Campeonatos Jogos Vitórias Empates Derrotas Gols Feitos Gols Sofridos Saldo de Vitórias
Brasileiro 22 9 4 9 33 28 0
Roberto Gomes Pedrosa 1 1 0 0 4 0 +1
Rio-São Paulo 1 0 0 1 1 2 -1
Paulista 88 42 26 20 139 93 +22
Taça Cidade de São Paulo 2 2 0 0 3 1 +2
Torneio Laudo Natel 1 1 0 0 4 0 +1
Amistosos 13 9 1 3 27 14 +7


Por Mando

Como Jogos Vitórias Empates Derrotas Gols Feitos Gols Sofridos Saldo de Vitórias
Mandante 61 37 16 8 118 47 +28
Visitante 67 27 15 25 93 91 +2


Por Estádios

Campeonatos Jogos Vitórias Empates Derrotas Gols Feitos Gols Sofridos Saldo de Vitórias
Moisés Lucarelli 63 23 15 25 78 86 -2
Palestra Itália 42 27 10 5 92 34 +22
Pacaembu 13 8 4 1 20 8 +7
Allianz Parque 5 1 2 2 4 5 -1
Horácio Antônio da Costa 2 2 0 0 6 2 +2
Rua Barão Geraldo de Rezende 1 1 0 0 5 0 +1
Arena Pantanal 1 1 0 0 2 0 +1
Brinco de Ouro da Princesa 1 1 0 0 4 3 +1
Última Atualização: 27 de junho de 2017


Primeiro Jogo

Em Campinas

Ponte Preta 0 x 5 Palestra Italia
Juíz: Artur Janeiro
Palestra Italia: Jurandyr; Carnera e Begliomini; Garro, De Lorenzo e Del Nero (Carlos); Luizinho Mesquita, Canhoto (Rolando), Echevarrieta, Feitiço e Zalli. Técnico: Ângelo Mastrandea
Gols: Zalli, Zalli e Echevarrieta no 1º tempo; Echevarrieta e Carnera no 2º tempo


Em São Paulo

Palmeiras 2 x 2 Ponte Preta
Juíz: Querubim da Silva Torres
Renda: Cr$ 114.260,00
Palmeiras: Fábio Crippa; Salvador e Juvenal; Waldemar Fiúme, Luiz Villa e Dema; Liminha, Richard, Oroz, Jair Rosa Pinto e Rodrigues Tatu. Técnico: Ventura Cambón
Ponte Preta: Neném; Bruninho e Salvador; Manoelito, Dias e Rodrigues; Isabelino, Lelé, Isauldo, Moacir e Sabará.
Gols: Sabará (14'), Oroz (15') e Richard (45') do 1º tempo; Isauldo (38') do 2º tempo


Último Jogo


Ponte Preta Palmeiras
Campeonato Brasileiro
10ª rodada
25 de junho de 2017
Domingo
16h00
Ponte Preta 1 x 2 Palmeiras Estádio Moisés Lucarelli, Campinas São Paulo
Público 6.051
Renda R$ 141.840,00
Árbitro Wagner Reway Mato Grosso
Assistentes 1 Fabio Rodrigo Rubinho Mato Grosso
Assistentes 2 Marcelo Grando Mato Grosso
Lucca (40') do 1ºt
Gol Alejandro Guerra (39') do 1ºt
Alejandro Guerra (45') do 1ºt
1.Aranha; 2.Nino Paraíba, 3.Marllon, 4.Rodrigo16'2ºt45'2ºt e 6.João Lucas (33'2ºt21.Lins); 5.Fernando BobCapitão 16'1ºt, 8.Élton (22'2ºt23.Felipe Saraiva) e 10.Renato Cajá37'2ºt48'2ºt; 7.Claudinho (Intervalo22.Léo Artur), 9.Lucca29'2ºt e 11.Emerson Sheik21'2ºt.
Técnico: Gilson Kleina
Reservas 12.João Carlos, 13.Jeferson, 15.Kadu, 16.Luan Peres, 14.Fernandinho, 17.Wendel40'2ºt, 18.Naldo, 19.Fábio Braga, 20.Jadson, 22.Léo Artur, 21.Lins, 23.Felipe Saraiva
1.Fernando PrassCapitão; 12.Mayke, 26.Yerry Mina32'2ºt, 13.Luan e 4.Juninho; 45.Gabriel Furtado32'1ºt (Intervalo22.Fabiano), 8.Tchê Tchê48'2ºt e 18.Alejandro Guerra32'2ºt (39'2ºt9.Miguel Borja); 23.Roger Guedes, 17.Erik (36'2ºt7.Dudu) e 29.Willian.
Técnico: Cuca
Reservas 14.Jailson, 42.Vinícius Silvestre, 22.Fabiano, 25.Antonio Carlos, 6.Egídio, 20.Raphael Veiga, 28.Hyoran, 37.Vitinho, 7.Dudu, 9.Miguel Borja


Curiosidades

Palmeiras e Ponte Preta fizeram a final do Campeonato Paulista de 2008. No primeiro jogo, em Campinas, vitória do Palmeiras por 1x0, gol de Kléber. No jogo final, goleada de 5x0, e o 22º título paulista do Palmeiras.


Maiores Goleadas

O Palmeiras goleou a Ponte Preta por 6x1, pelo Paulista de 1959; por 6x2 no Brasileiro de 2005; por 5x0 em um amistoso em 1939 e no Paulistão de 1994 e 2008.
A Ponte Preta goleou o Palmeiras por 5x1, pela Copa João Havelange de 2000.

Placares

O placar de 2x1 é o mais comum entre as equipes: aconteceu 23 vezes.
Já as goleadas por três ou mais gols de diferença ocorreram em 24 oportunidades.


Maiores Tabus

Maior tabu Palmeiras: 23 jogos (1959-1975)
Maior tabu Ponte Preta: 8 jogos (1979-1981)
Maior série de vitórias do Palmeiras: 6 jogos (1935-1949) e (1959-1965)
Maior série de vitórias do Ponte Preta: 6 jogos (2015-2017)


Maior Público




Quem Mais Jogou

Jogos
Jogador(es)




Jogos

Todos os jogos contra a Ponte Preta


Artilheiros

Gols
Artilheiro(s)
7 Edu Bala
5 Américo Murolo
César Maluco
Humberto Tozzi
Liminha
4 Alex Mineiro
Evair
Moacir
Pio
Rodrigues Tatu
Romeiro
3 César Mendes
Edmundo
Euller
Leivinha
Lenny
Marcinho
Mirandinha
Nei
Washington
2 Ademir da Guia
Barcos
Cristian
Dudu
Echevarrieta
Fernando
Alejandro Guerra
Julinho Botelho
Kléber
Leonardo de Paula
Lula
Márcio Alcântara
Marcos Assunção
Mazzola
Nei Blanco
Nen
Oséas
Paulinho
Servílio
Toninho
Tuta
Zalli

Ferramentas pessoais