Oberdan Cattani

De Porcopedia - A Enciclopedia do Palmeiras

OBERDAN
Oberdan Cattani
Informações pessoais
Nome Completo Oberdan Cattani
Nascimento 12 de junho de 1919
Sorocaba (SP), São Paulo Brasil Brasil
Falecimento 20 de junho de 2014
São Paulo (SP), São Paulo Brasil Brasil
Altura 1,78 m
Peso
Canhoto
Apelido Fortaleza Voadora, Muralha Verde
Informações profissionais
Número 1
Posição Goleiro
Clubes de juventude
1938 Brasil Fortaleza (Sorocaba)
1939 Brasil São Bento-SP
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (gols)
1940-1954 Brasil Palmeiras 351 (409)
1954-1955 Brasil Juventus-SP 26
Seleção nacional
1944-1945 Brasil 9 (10)

Oberdan Cattani foi um goleiro do Palmeiras nas décadas de 40 e 50 e que se tornou uma lenda, sendo hoje considerado por muitos o melhor goleiro da história do time paulista, disputando este título com Valdir de Moraes, Émerson Leão e Marcos.

Em 1933, com 14 anos, ele e mais alguns amigos fundaram o "Infantil Sete de Setembro", nome da rua onde morava e onde a garotada se reunia para jogar. Em meados de 1935, foi convidado para ingressar no Santos FC, do bairro da Árvore Grande, onde ficou por pouco mais de um ano e meio. E em 1937, participou da fundação de outro time, o Corinthians de Sorocaba, que em pouco tempo se transformou no maior esquadrão da cidade. Muitos meninos que se destacaram, acabaram se transferindo para o Votorantim FC, outros para o Estrada FC e o São Bento. Oberdan foi parar no Fortaleza Clube, que era mantido pela fábrica de tecidos Fortaleza, sólida empresa instalada em Sorocaba.

No Fortaleza, ficou um ano, em 1939, aos 19 anos, fez alguns jogos no São Bento de Sorocaba e aos 20 chegava a meta do Palestra Italia.

Apesar de ter se dedicado ao Palmeiras, por quase 20 anos, acabou encerrando a carreira por imposição do então presidente do Palmeiras, Pascoal Giuliano.


"O meu suor daria para inundar todo o Parque Antártica." - Oberdan Cattani


Tabela de conteúdo

Biografia

Divino, o Santo e a Fortaleza Voadora ganhando o título de sócios remidos da Sociedade dos Eternos Palestrinos em 2008
Oberdan, a frente e carregando a bandeira do Brasil, quando o Palestra morreu líder e nasceu o Palmeiras Campeão, em 1942

Quando deixou a sua Sorocaba num caminhão em 1941, Oberdan Cattani não chegou a imaginar que cumpriria, pouco mais tarde, o sonho de uma italianíssima família de imigrantes que via nas cores do velho Palestra Itália as honrarias presentes à bandeira da "Velha Bota".

Com a cara e coragem de seus 20 anos de idade , o menino alinhado, de cabelos sempre penteados, jogados para o lado, no mais cuidadoso estilo Clark Gable, chegou ao Palestra para um teste, indicado por seu irmão Athos e pelo ex-jogador Miguel Bascarelli, e por lá ficaria até os dias de hoje. Oberdan vive ainda na Pompéia, bairro próximo ao clube, que visita quase todos os dias.

Hoje conselheiro vitalício do Alviverde, Oberdan Cattani viu morrer em 1942 o velho Palestra Italia e, no dia seguinte, nascer a Sociedade Esportiva Palmeiras. "Foi um tempo doloroso para todos nós. O clube foi obrigado a mudar de nome por uma imposição, obrigaram a tirar não só a palavra 'Italia' do nome, como também o 'Palestra'", relembra o ex-jogador.

A imposição visava uma medida simbólica: nenhuma agremiação poderia levar no nome ou nas cores qualquer apologia à Itália, país alinhado ao Eixo na Segunda Guerra Mundial - logo, nação inimiga do Brasil, que lutou ao lado dos Aliados -, berço do fascismo desenhado por Benito Mussolini. "Mas foi bom que o time mudasse de nome. Assim, quebrou-se o estigma de time de italianos e o clube ficou aberto a novos torcedores, de outras raças e nacionalidades. O Palmeiras democratizou o futebol", defende Oberdan.

No dia seguinte à mudança do nome, ele viveria sua maior alegria no clube: a vitória sobre o São Paulo por 3 a 1 - naquele dia, o Palmeiras entraria em campo carregando a bandeira do Brasil.

Ainda que sem expressar total convicção, Oberdan não esconde até hoje a mágoa pela falta de vontade política das demais equipes de São Paulo para defender a manutenção do nome Palestra Italia. "Tinha diretores do São Paulo que exigiram a mudança. Demos o troco neles com aquela vitória, que jamais vou esquecer". A mágoa, transformada em arqui-rivalidade a partir dali, rendeu a Oberdan a autoria da frase segundo a qual "os corintianos são rivais dos palmeirenses; os são-paulinos, inimigos". Sessenta e dois anos depois, ele nega que tenha feito a afirmação. "Sei que existe essa lenda, mas jamais desrespeitei rival algum".

Depois da equipe faturar o título do Campeonato Paulista de 1942 em cima do Tricolor, Oberdan deu o primeiro passo para se tornar um dos goleiros mais vitoriosos do Verdão. No final, encerrou a vitóriosa carreira no Juventus, em 1955.

Morte

No dia 20 de junho de 2014, 8 dias após completar 95 anos, Oberdan Cattani morreu no Hospital do Servidor Público em São Paulo. Em abril do mesmo ano, Oberdan havia sido internado com uma grave lesão coronariana. Diagnosticado com angina instável, ele foi submetido a um cateterismo. Após a instalação de um stent, ele recebeu alta do Hospital Bandeirante depois de uma semana de internação.

Em outubro de 2013 o Conselho Deliberativo do clube aceitou homenageá-lo com um busto com previsão para ser exposta aos torcedores no mês de junho de 2014. Mas, com problemas de saúde, Oberdan voltou a ser internado no Hospital do Servidor Público e sua família pediu o adiamento da homenagem.

Oberdan Cattani será velado no Ginásio Palestra Italia e será enterrado no Cemitério de São Paulo, em Pinheiros.



Carreira

Títulos

Palmeiras


Seleção Paulista


Estatísticas

  • Partidas pelo Palmeiras: 351
  • Partidas oficiais:
  • Partidas pela Seleção: 9

Ferramentas pessoais