Edmundo Alves de Souza Neto

De Porcopedia - A Enciclopedia do Palmeiras

EDMUNDO
Edmundo
Informações pessoais
Nome Completo Edmundo Alves de Souza Neto
Data de nasc. 02 de abril de 1971
Local de nasc. Niterói (RJ), Rio de Janeiro Brasil Brasil
Altura 1,77 m
Peso
Informações profissionais
Estreia Palmeiras 2x1 Marília (27/01/1993)
Posição Atacante
Clubes de juventude
Brasil Botafogo
Brasil Vasco da Gama
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (gols)
1992 Brasil Vasco 23 (8)
1993–1995 Brasil Palmeiras 180 (74)
1995 Brasil Flamengo 14 (2)
1996 Brasil Corinthians 33 (23)
1996–1997 Brasil Vasco 44 (38)
1998–1999 Itália Fiorentina 37 (12)
1999–2000 Brasil Vasco 16 (13)
2000 Brasil Santos 20 (13)
2001 Itália Napoli 17 (4)
2001 Brasil Cruzeiro 12 (3)
2001-2002 Japão Tokyo Verdy 31 (18)
2003 Japão Urawa Red Diamonds 35 (33)
2003–2004 Brasil Vasco 20 (7)
2004 Brasil Fluminense 19 (7)
2005 Brasil Nova Iguaçu 2 (1)
2005 Brasil Figueirense 31 (15)
2006–2007 Brasil Palmeiras 49 (14)
2008 Brasil Vasco 26 (13)
2012 Brasil 1 (2)
Seleção nacional
Anos Seleção Jogos (gols)
1992-2000 Brasil 39 (10)
Títulos
Anos Clubes Campeonato
1992 Vasco Carioca
1993 Palmeiras Rio-SP
1993 Palmeiras Paulista
1993 Palmeiras Taça Reggiana
1994 Palmeiras Brasileiro
1994 Palmeiras Paulista
1993 Palmeiras Taça Nagoya
1994 Palmeiras Brasileiro
1997 Vasco Brasileiro
1997 Brasil Copa América

Edmundo Alves de Souza Neto, mais conhecido como Edmundo, o Animal (Niterói, 2 de Abril 1971) é um ex-futebolista brasileiro que atuava como atacante. Atualmente, trabalha como comentarista esportivo na Rede Bandeirantes.

Iniciou sua carreira profissional em 1991 pelo Vasco da Gama, clube do qual se declara torcedor, após ser dispensado do juvenil do Botafogo, e com o qual ele mais se destacou e é identificado. Atingiu inicialmente grande destaque no futebol brasileiro no Palmeiras, onde conquistou diversos títulos de expressão e onde é considerado um dos maiores jogadores da história do clube. Bem mais tarde, passou pelos rivais do Vasco, Flamengo e Fluminense, além da Fiorentina, da Itália. Nessas três equipes, teve passagens rápidas e apagadas. Defendeu também Corinthians e Santos, dois rivais do Palmeiras, equipe pela qual ele já declarou ter bastante carinho e identificação.

Ficou conhecido como Animal, apelido criado pelo narrador Osmar Santos durante a passagem do jogador pelo Palmeiras, por seu futebol habilidoso e ao mesmo tempo por seu temperamento forte e por sua indisciplina em campo. Em dezembro de 1995 Edmundo se envolveu um acidente de carro que resultou na morte de 3 pessoas. Após oito anos entre a última causa interruptiva, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa extinguiu o processo.

Tabela de conteúdo

Biografia

Edmundo em seu primeiro jogo com a camisa Alviverde
Edmundo beija escudo do Palmeiras e se emociona em seu retorno ao Palmeiras em 2007

O início

No início de 1993, o clima dentro das dependências do Palmeiras era benéfico. Recentemente, o Verdão havia firmado um acordo com a multinacional italiana Parmalat que, naquele início de temporada, investia pesado em reforços junto à diretoria do Palmeiras. Além de Edmundo, o lateral-esquerdo Roberto Carlos, o zagueiro Antônio Carlos e o meia Edílson também eram craques recém-contratados. Logo de cara, estes novos componentes do grupo se uniram aos jogadores que eram uma espécie de espinha dorsal na conquista do vice-campeonato paulista no ano anterior: os goleiros Sérgio e Velloso, os meias Zinho e César Sampaio e o centroavante Evair, o matador. Com esta nova formação, o elenco do Verdão chegou a ser comparado com os timaços dos anos 60 e 70 (que ganharam o apelido de Primeira e Segunda Academia, respectivamente). Assim, nascia uma espécie de Terceira Academia.

Estreia

Sob comando do então treinador Otacílio Gonçalves, o Palmeiras deu início à temporada de 1993 no dia 27 de janeiro, com uma vitória diante do Marília por 2 a 1, em partida válida pelo Campeonato Paulista. Naquela noite de quarta-feira, o jogador Catatau (Marília) abriu o contador. Em seguida, Evair e César Sampaio, de virada, garantiram a vitória do Verdão. Já em sua estreia, portanto, Edmundo degustou o sabor especial da vitória, a primeira das exatas 125 que teria vestindo a camisa do Palmeiras ao longo do tempo.

Fim da Fila

Com o advento do esquadrão de 1993, o Verdão se manteve esperançoso desde o início para quebrar o jejum de títulos que, até ali, já durava quase 16 anos. Curiosamente, o Palmeiras sagrou-se campeão logo na primeira competição disputada naquele ano, vencendo o Campeonato Paulista. Não se pode ignorar os méritos dos outros jogadores, mas Edmundo foi imprescindível para a conquista do Paulistão, título que tirou o Palmeiras da fila. Naquele Campeonato Paulista, o Verdão venceu todas as partidas em que Edmundo balançou as redes adversárias (10 jogos).

Ídolo do Palmeiras

Pouco tempo depois de tornar-se jogador do Verdão, Edmundo logo caiu nas graças da torcida. O atacante, à época, era um dos jogadores que mais estava na mídia (tanto pelo seu futebol quanto pelas polêmicas em que se envolvia fora dos gramados). Foi em São Paulo que Edmundo ganhou o apelido que levaria por toda a carreira: Animal. O locutor esportivo Osmar Santos escolhia o “animal” de cada rodada, ou seja, o melhor jogador. Devido ao seu temperamento arredio e o costume de levar cartões vermelhos, a torcida palmeirense identificou-o com o apelido, passando a gritar o famoso coro nas arquibancadas: “Au au au, Edmundo é animal”.

A personalidade forte dentro de campo, muitas vezes exagerada, já lhe rendeu alguns problemas com colegas de profissão, além de punições. Nada que apagasse o brilho de seu futebol. Campeão Paulista em 1993, o camisa 7 faturou também, naquela temporada, nada menos que o Torneio Rio-São Paulo e o Campeonato Brasileiro. No ano seguinte, em 1994, o atacante chegou ao bicampeonato Paulista e Brasileiro com o Verdão. Em 1995, já desgastado pelas constantes brigas com alguns de seus companheiros de time (Rincón, Evair, Antônio Carlos e o técnico Wanderley Luxemburgo), o jogador acabou se transferindo para o Flamengo, após receber uma tentadora proposta do clube rubro-negro, que investia pesado no ano de seu centenário. A saída de Edmundo não foi das mais amigáveis, pois, mesmo envolvido frequentemente em brigas com o grupo, Edmundo ainda havia recebido da diretoria palmeirense uma proposta de renovação, por isso, muitos torcedores o acusaram de ser traidor. Mesmo assim, ao ir embora do Verdão, Edmundo acabou deixando saudades.

Em 2006, Edmundo retornava ao Palmeiras. Prestes a completar 35 anos, o jogador já veterano não escondeu seu sentimento pelo clube, dizendo abertamente à imprensa que, embora já não tivesse o vigor físico de antes, iria "jogar com muito mais amor à camisa”. “Percebi a besteira que fiz na minha vida quando deixei o Palmeiras", admitiu à época. Entre 2006 e 2007, o Animal não conquistou títulos pelo Verdão, tudo o que conseguiu foi a vice-artilharia do Brasileirão de 2007, após marcar 20 gols na competição. Em contrapartida, Edmundo formou dupla inesquecível ao lado do meia Valdivia, dando a cada jogo uma aula de futebol. Edmundo e Valdivia provocavam os adversários e, na maioria das vezes, cumpriam promessas de gols. Ao final de 2007, o eterno camisa 7 pendurava de vez as chuteiras no Palmeiras. Desta vez, só deixando saudade.


  • Texto retirado do Site do Palmeiras, em comemoração pelos 20 anos da estreia com a camisa do Palmeiras.


Estatísticas no Palmeiras

Ano Campeonatos Jogos Gols Marcados Cartões Amarelos Cartões Vermelhos
1993 Paulista
Total 223 99 ? ?
Jogos Vitórias Empates Derrotas
223 125 50 48

Ferramentas pessoais